Caatinga: Curiosidades desse bioma

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Caatinga
Caatinga

A Caatinga é um bioma brasileiro localizado na região de clima semiárido do país, com destaque para os estados da Região Nordeste. Os índios (tribos tupis-guaranis) deram nome a Caatinga – caa quer dizer “mata”, e tinga quer dizer “branca”. Ela apresenta como principal caraterística uma vegetação resistente aos longos períodos de estiagem típicos desse bioma. As plantas da Caatinga possuem a capacidade de adaptação em ambientes áridos, como a presença de estruturas de armazenamento de água.

Os animais também utilizam estratégias de adaptação, e muitos deles são endêmicos do bioma. O clima semiárido interfere ainda em um solo seco e pedregoso e em uma rede hidrográfica marcada pelo período de estiagem.

Os solos do bioma Caatinga são rasos, pedregosos e pouco permeáveis. Assim, a maior parte da água das chuvas evapora, em vez de penetrar no chão. Por sua vez, os rios da região são, em sua maioria, temporários – ou seja, ficam cheios em determinadas épocas do ano e têm o leito seco nos outros meses. Apesar disso, a Caatinga apresenta grande biodiversidade. Todavia, essa riqueza de espécies animais e vegetais vivenciou ao longo do tempo uma grande degradação ambiental. Na atualidade, quase metade da Caatinga já foi desmatada, e a expansão da fronteira agrícola ameaça ainda mais essa vegetação. Desse modo, a criação de parques nacionais e a promoção do desenvolvimento sustentável são fundamentais para a sua conservação.

Características da Caatinga

Localização da Caatinga

A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. Ela está distribuída, na Região Nordeste do Brasil, ao longo do território dos estados de:

  • Piauí;
  • Ceará;
  • Rio Grande do Norte;
  • Paraíba;
  • Pernambuco;
  • Alagoas;
  • Sergipe;
  • Bahia.

Também se faz presente na porção norte do estado de Minas Gerais, no Sudeste brasileiro. Conforme dados do Ministério do Meio Ambiente do Brasil, cerca de 11% do território nacional é coberto pelo bioma Caatinga. Nessa área vivem aproximadamente 27 milhões de pessoas.

O nome Caatinga tem origem na língua tupi e significa mata branca. Ele representa a principal característica dessa vegetação, que é a perda das suas folhas durante o período de seca. Além disso, a pouca ocorrência de chuvas e a baixa umidade do ar caracterizam esse bioma. Essas condições são verificadas em regiões de clima semiárido, justamente onde ocorre a Caatinga. Devido aos aspectos geográficos, os animais e plantas que vivem nesse bioma possuem grande adaptabilidade climática.

Vegetação da Caatinga

A vegetação da Caatinga é marcada pelas condições geográficas e climáticas presentes na área de ocorrência desse bioma. O solo árido e o clima seco, assim como a ausência de chuvas na maior parte do ano influenciam diretamente nos aspectos físicos e biológicos das plantas dessa área.

A principal característica da vegetação da Caatinga é a perda das folhas durante o período da estiagem. Esse mecanismo possibilita o maior armazenamento de água pela planta durante o longo período de seca.

Além da perda das folhas, as espécies de plantas da Caatinga têm como característica a resistência à seca e à temperatura elevada. No mais, é típica da Caatinga a ocorrência de árvores baixas, com troncos tortuosos, presença de espinhos e raízes longas. No primeiro grupo, os arbustos são predominantes, e as espécies são adaptadas para sobreviver à falta de água. As chamadas plantas “suculentas”, como cactos e bromélias, armazenam bastante água em seu interior e, assim, podem suportar a falta de chuva.

Outras espécies, ainda, têm raízes tuberosas, ou seja, crescem debaixo da terra, e, como principal característica, têm grandes reservas de substâncias. Portanto, são capazes de guardar água e nutrientes: é o caso do umbuzeiro.

Apesar das condições climáticas adversas da Caatinga, esse bioma apresenta um grande volume de espécies vegetais. Esse cenário está ligado à capacidade das plantas em se adaptarem e criarem mecanismos para sobreviver em um ambiente muito seco.

A Caatinga é reconhecida pela alta biodiversidade de suas plantas, muitas das quais são endêmicas, ou seja, só existem nessa região do globo. Dentre as principais espécies de plantas da Caatinga, destacam-se:

  • mandacaru;
  • maniçoba;
  • juazeiro;
  • acácia;
  • umbu;
  • cumaru;
  • ipê-roxo;
  • macambira;
  • aroeira;
  • xique-xique.

Fauna da Caatinga

Os animais da Caatinga possuem uma grande capacidade de adaptação, visto que a dificuldade de encontrar comida e água nesse bioma é notória. Além disso, a presença de elevadas temperaturas levaram as espécies de animais a criarem mecanismos e estratégias de sobrevivência. Um exemplo é o movimento migratório das aves da região, que voam para regiões mais úmidas no período de estiagem.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente do Brasil, na Caatinga podem ser encontradas:

  • 178 espécies de mamíferos;
  • 591 espécies de aves;
  • 177 espécies de répteis;
  • 79 espécies de anfíbios;
  • 241 espécies de peixes;
  • 221 espécies de abelhas.

Essa grande biodiversidade é uma característica da Caatinga, que conta ainda com muitas espécies animais endêmicas. Porém, o impacto humano nessa vegetação tem provocado a perda do habitat dos animais e, consequentemente, o aumento do risco de extinção de algumas espécies.

São exemplos de animais que vivem na Caatinga:

  • arara-azul-de-lear;
  • ararinha-azul;
  • onça-parda;
  • cutia;
  • gambá;
  • preá;
  • veado-catingueiro;
  • tatu-peba;
  • tatu-bola;
  • sapo-cururu.

Solo da Caatinga

O solo da Caatinga é muito seco e com textura arenosa. As condições climáticas desse bioma — como as altas temperaturas, a incidência direta da radiação solar e o baixo volume de chuvas — interferem diretamente nessas características.

Além disso, o solo da Caatinga é extremamente pedregoso. Essa característica está relacionada ao processo de intemperismo da rocha, que, devido à pouca presença de chuva, não consegue ser dissolvida em grânulos menores de solo.

Vale destacar também o baixo teor de matéria orgânica e a baixa capacidade de armazenamento de água. Isso ocorre devido à vegetação do bioma, que possui pouca quantidade de folhas e acumula água no seu caule.

Clima da Caatinga

O clima da Caatinga é o semiárido, que é caracterizado pela ocorrência de longos períodos de estiagem, assim como temperaturas elevadas e baixa umidade de ar. Nesse tipo climático, que é típico do Nordeste brasileiro, as chuvas são esparsas e irregulares e acontecem de três a cinco meses do ano, entre janeiro e maio. Já o período seco ocorre na maior parte do ano, de junho até dezembro.

O clima da Caatinga exige uma grande adaptação das espécies de plantas e animais para sobreviverem ao longo período seco. Dessa maneira, o mesmo vale para os moradores da região, que traçam estratégias para garantir o acesso à água e à alimentação nos meses de estiagem.

Degradação e conservação

A Caatinga é um dos biomas mais impactados pelo ser humano e pelas atividades produtivas no Brasil. O processo de ocupação gerou um elevado impacto ambiental, visto que esse movimento foi efetuado de maneira predatória e sem preocupação com o custo ambiental. A ocupação humana afetou as características físicas desse bioma, assim como gerou a perda de espécies de animais e plantas por meio de atividades como caça e extrativismo.

No mais, pode-se afirmar que o alto índice de degradação do meio ambiente da Caatinga é preocupante. Esse cenário pode ser exemplificado pelo grande volume de espécies de animais da Caatinga que correm risco de extinção, como a arara-azul-de-lear, ave endêmica desse bioma e que é muito valorizada nas redes internacionais de tráfico de animais.

Esse impacto também é verificado nas espécies de plantas da região. Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente do Brasil, quase metade do território da Caatinga já foi desmatada. O elevado desmatamento e a perda de espécies de flora local ocasionam o aumento do processo de desertificação, por exemplo. Por sua vez, a expansão da fronteira agrícola em áreas de Caatinga deve aumentar o desmatamento na área, assim como os impactos ambientais ligados à prática da remoção da vegetação.

Desse modo, o poder público, aliado à atuação de organizações de defesa do meio ambiente, busca alternativas para promover a conservação do bioma. Nos últimos anos foram criadas unidades de conservação em áreas de Caatinga. Além disso, há projetos de promoção de práticas sustentáveis destinados aos moradores locais. São exemplos de unidades de conservação da Caatinga:

  • Parque Nacional da Chapada Diamantina;
  • Área de Proteção Ambiental da Chapada do Araripe;
  • Parque Nacional de Sete Cidades;
  • Parque Nacional da Serra da Capivara;
  • Parque Nacional das Serra das Confusões;
  • Monumento Natural do Rio São Francisco.

Referências:

Veja Mais:

Outros Artigos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!