Embolia: Saiba sobre o que é

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

A patologia, descrita como o ramo da ciência da saúde que estuda as alterações no corpo humano decorrentes de alguma doença. Desse modo, o desequilíbrio na homeostase é causada devido a alterações a nível celular. Sendo assim, a patologia nos permite compreender as modificações presentes em tecidos, órgãos, sistemas e líquidos presentes no organismo. Portanto, exige um bom conhecimento em anatomia, fisiologia, bioquímica e farmacologia, visto que é uma área multidisciplinar. Logo, nesse artigo veremos mais a embolia que ocorre em nosso organismo.

Conceito de Embolia

O êmbolo, definido como uma massa intravascular livre sólida, líquida ou gasosa. Desse modo, carregada pelo sangue até um local distante de seu ponto de origem.

Sendo assim, virtualmente noventa e nove por cento de todos os êmbolos representam uma parte deslocada de um trombo. Portanto, sendo essa a origem do termo tromboembolia.

Formas raras de trombos incluem gotas de gordura, bolhas de ar ou nitrogênio, restos ateroscleróticos (êmbolos de colesterol). Sendo assim, outros fragmentos de tumores, pedaços da medula óssea ou corpos estranhos, como balas de revólver, considerados como êmbolo.

Tipos de embolia

Acerca dos diversos tipos de elementos que podem causar a embolia, existe uma vasta gama de classificações. Portanto veremos a partir de agora, quais os tipos existentes.

Tromboembolia pulmonar

Em mais de noventa e cinco por cento dos casos os êmbolos venosos se originam de trombose venosa profunda acima do joelho. Sendo assim, eles são carregados através de vasos progressivamente mais calibrosos e passam pelo lado direito do coração antes de entrarem na circulação pulmonar. No entanto, dependendo do seu tamanho, o êmbolo pode ocluir a artéria pulmonar, se alojar na sua bifurcação ou passar para arteríolas de menor calibre. Portanto, eles podem ser silenciosos sob o aspecto clínico, levar a morte súbita, insuficiência cardíaca direita, colapso cardiovascular, hemorragia pulmonar, infarto pulmonar.

Tromboembolia sistêmica

Refere-se a êmbolos na circulação arterial. Sendo assim, a maioria tem origem em trombos murais intracardíacos. Desse modo, os êmbolos arteriais podem se deslocar para diversos locais, causando embolização principalmente dos membros inferiores e o cérebro, os rins e o baço afetados com menos frequência. As consequências da embolia em um tecido dependem da sua vulnerabilidade à isquemia, calibre do vaso ocluído e do fluxo sanguíneo colateral. Portanto, em geral a embolia arterial causa infarto dos tecidos afetados.

Embolia Gordurosa

Glóbulos microscópicos de gordura podem ser encontrados na circulação após fraturas dos ossos longos (que contém uma medula gordurosa) ou após trauma dos tecidos moles. Sendo assim, caracterizada por insuficiência pulmonar, sintomas neurológicos, anemia e trombocitopenia podendo ser fatal em cerca de 10% dos casos. Desse modo, os microêmbolos de gordura ocluem a microvasculatura pulmonar e cerebral, a oclusão é agravada pela agregação local de plaquetas e eritrócitos. Portanto, a patologia exacerbada pela liberação de ácidos graxos livres dos glóbulos de gordura, causando lesão tóxica local do endotélio.

Embolia Gasosa

Bolhas de ar na circulação podem obstruir o fluxo de sangue e causar lesão isquêmica distal quase tão rapidamente quanto as massas trombóticas. Sendo assim, o ar pode entrar na circulação durante procedimentos obstétricos ou em consequência de lesão de parede torácica. Desse modo, em geral, mais de cem ml de ar são necessários para produzir efeitos clínicos; as bolhas podem se agregar para formar massas espumosas grandes o suficiente para ocluir grandes vasos. Portanto, uma forma especial de embolia gasosa é a denominada “Doença da Descompressão”, que ocorre em indivíduos expostos a mudanças bruscas na pressão atmosférica.

Embolia de líquido amniótico

Uma complicação grave mas rara do trabalho de parto e pós-parto imediato. Desse modo, a causa primária é a entrada de líquido amniótico na circulação materna através de uma abertura na placenta e ruptura das veias uterinas. Sendo assim, o quadro clássico é composto de edema pulmonar acentuado e dano alveolar difuso, com células escamosas da pele, lanugem e cabelo do feto, gordura e mucina na microcirculação pulmonar.

Portanto, gurunauta, se esta afim de conhecer mais sobre a patologia geral, não deixe de acompanhar nosso blog. Pois nessa seção, você verá imagens e assuntos pouco abordados em sala de aula, que vão te auxiliar na sua vida acadêmica. Te espero aqui, mete bronca!!

Outros Artigos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!