Materialidade na gestão ambiental

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Materialidade na gestão ambiental
Materialidade na gestão ambiental

Materialidade ganhou visibilidade e força como um elemento do Relatório de Sustentabilidade. Esse elaborado a partir das diretrizes da Global Report Initiative (GRI), com o objetivo de “melhorar a qualidade, o rigor e a aplicabilidade dos relatórios de sustentabilidade” das organizações.

Depois disso, ela passou a se popularizar entre as organizações que se preocupam com as pautas de sustentabilidade. Assim, visam se destacar estrategicamente no mercado a partir dessas questões relacionadas aos princípios de ESG, sigla que vem do inglês Environmental (Ambiental), Social (Social) and corporate Governance (Governança). 

Questões materiais e sustentabilidade

Matriz de Materialidade é um recurso utilizado para definir e propagar os principais temas que vão ajudar a organização a alcançar seus objetivos estratégicos dentro do mercado. Essa matriz permitirá analisar cada um desses temas relevantes buscando ações que possam minimizar custos e melhorar a participação da organização no cenário mercadológico. Com a matriz, visualiza-se melhor o potencial “campo” de problemas, ou, mesmo que não sejam problemas, os pontos de destaque que demandam priorização, investimento, engajamento e ação.  

A Matriz de Materialidade tem, portanto, papel fundamental para a sustentabilidade das empresas. Ela permite que riscos sejam evitados dentro das organizações, já que busca trazer previsibilidade para o futuro do negócio, seguindo os critérios ambientais, sociais e de governança. O mapeamento e estruturação desta matriz permite que a empresa passe a planejar ordenadamente suas iniciativas práticas, para que a sustentabilidade não se torne apenas um conceito etéreo na vida da organização. 

Diferença entre Matriz de Materialidade e Matriz de Risco  

Como a Matriz de Materialidade ainda é uma metodologia recente, alguns ainda a confundem com a Matriz de Risco. Na prática, a diferença principal é que a matriz de risco é uma ferramenta que permite visualizar e selecionar quais são os riscos que devem ter prioridade de tratamento em uma organização, ou seja, é uma avaliação dos riscos a serem tratados de forma hierarquizada, ela trata de hipóteses de materialização de problemas e previsões de controles, não de temas.  

Processo de Materialidade

Não há uma maneira única de conduzir uma avaliação de materialidade. Muitas empresas contam com consultores externos para auxiliá-las, enquanto outras empresas, com equipes de sustentabilidade mais robustas, gerenciam elas mesmas o processo. O uso de um consultor externo às vezes pode adicionar credibilidade ao processo e garantir que a empresa não esteja simplesmente listando suas questões bem gerenciadas como as mais relevantes.

A contratação de consultores externos também pode ajudar na coleta de feedback das partes interessadas, pois algumas delas podem ter receio de falar diretamente com a empresa, principalmente sobre tópicos controversos.

Geralmente, o processo para conduzir uma avaliação de materialidade inclui as seguintes etapas:

  • Identifique os principais problemas, categorize os grupos de partes interessadas relevantes e os impulsionadores de negócios
  • Coletar dados de stakeholders internos e externos
  • Mapeie e priorize os problemas
  • Alinhar as questões com a gestão e a visão do negócio
  • Desenvolva a estratégia

Referências:

Veja Mais:

Outros Artigos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!