O que é um autodidata e como você pode se tornar um

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Entender o que é um autodidata é um dos primeiros passos para o desenvolvimento da autonomia no processo de ensino-aprendizagem. De fato, na era da informação em que estamos imersos cada vez mais temos a necessidade de nos atualizarmos e estarmos frentes as novas tendências e novos estudos em nossas respectivas áreas. Assim, a capacidade própria conseguir adquirir esses conhecimentos de forma autônoma e própria torna-se um grande diferencial.

Então, tendo isso em vista, nesse artigo vamos falar sobre a autonomia nos estudos e no aprendizado através do autodidatismo. Decerto, vamos perpassar o assunto entendendo o que de fato podemos considerar como ser um autodidata, os problemas e benefícios envolvidos nesse processo. Além disso, ainda vamos te dar boas dicas e ideias de como você pode se tornar um autodidata.

Entendendo o que é um autodidata

Em geral, quando nos referimos ao termo autodidata estamos fazendo menção a pessoas que possuem a capacidade de aprender assuntos por conta própria, sem a necessidade de um professor ou tutor. Entretanto, é importante pontuarmos que mesmo que não tenha a ausência de um professor ou de um tutor o indivíduo ainda dispõe de ferramentas que o conectam, mesmo que indiretamente, com outras pessoas. Decerto, Essa ponderação é importante pois reafirma que em sí a noção de um autodidata puro que consiga aprender qualquer assunto de forma independente é irreal, uma vez que os recursos que o mesmo usa para seus estudos foi desenvolvido por outra pessoa.

Nesse sentido, consideraremos um autodidata a pessoa que consegue progredir em seus estudos sem a necessidade de um tutor ou professor. Com efeito, essa noção é tomada uma vez que ao olharmos o panorama histórico da educação nos deparamos com o aumento da dependência dos alunos para com seu tutor/professor.

Assim, os autodidatas são pessoas que assumem a responsabilidade pelo seu próprio aprendizado e desenvolvem suas habilidades e conhecimentos de forma autônoma.

Exemplos de autodidatas

Nesse sentido, é importante vermos que qualquer pessoa que desenvolva a autonomia sobre seus estudos se tornará, efetivamente, um autodidata. Entretanto, é interessante recordarmos algumas personalidades históricas que de fato se destacaram por serem autodidatas

  1. Leonardo da Vinci: famoso artista e inventor renascentista que estudou diversos campos do conhecimento, como anatomia, arquitetura, engenharia e matemática, por conta própria.
  2. Charles Darwin: biólogo que desenvolveu a teoria da evolução e estudou a natureza de forma autônoma durante sua viagem ao redor do mundo.
  3. Benjamin Franklin: escritor, cientista e político americano que aprendeu diversas habilidades, como a escrita, a eletricidade e a diplomacia, de forma autodidata.
  4. Abraham Lincoln: presidente dos Estados Unidos que aprendeu a ler e a escrever por conta própria e estudou leis de forma autônoma para se tornar um advogado.
  5. Ernest Hemingway: escritor americano que aprendeu a escrever de forma autodidata e desenvolveu sua técnica de escrita por meio de leituras e práticas constantes.

Aprenda a como se tornar um autodidata

Para se tornar um autodidata, você terá de ser capaz de estudar de forma autônoma. Nesse sentido, a disciplina, organização e sua curiosidade são fatores decisivos para que você possa ter sucesso nessa nova jornada de como estudar.

Ademais, como podemos ver esse processo de desenvolvimento de autonomia pode ser algo extremamente pessoal e subjetivo. Dessa forma, cada indivíduo pode ter uma trajetória própria e logo, ideias e métodos podem ou não funcionar para cada um. Entretanto, podemos elencar algumas dicas gerais e universais, baseadas em importantes estudos, que devem ajudar qualquer pessoa a alcançar o autodidatismo. Com efeito, vamos conhecer agora essas dicas.

Dica 1. Organize o que você irá estudar !

A organização é sem sombra de dúvidas um dos pilares para um bom estudo. Com efeito, essa dica caminho no sentido de que você compreenda como é importante a delimitação correta dos assuntos que você irá se propor a estudar e os recursos que você irá utilizar.

Nesse sentido, é interessante que antes de iniciar o estudo propriamente dito você faça uma pesquisa sobre materiais, notas de aulas, livros e boas referencias sobre o assunto. Em verdade, é até interessante que você busque entender como o assunto que você deseja estudar é passado formalmente nos ambientes de ensino como escolas e universidades. Aqui, podemos citar alguns sites que possam te ajudar Google Scholar, Academia.edu, Open Library of Humanities e claro a MeuGuru.

Ademais, é imprescendível que você estabeleça metas claras e específicas que possam ser mensuráveis. Com isso, você terá uma linha clara de como e até onde você pode/deseja chegar no seu estudo. Nesse sentido, vários recursos online podem te ajudar a se organizar e estabelecer fluxogramas para seus estudos.

Dica 2. Estabeleça uma rotina de estudos !

De fato, é preciso ter motivação, comprometimento e perseverança para aprender de forma autônoma e enfrentar os desafios que isso pode trazer. Tendo isso em vista, algo que pode ser decisivo para seu sucesso nessa empreitada é que você estabeleça uma rotina de estudos.

Para se tornar um autodidata, é importante dedicar tempo e esforço consistentes para o aprendizado. Estabeleça um horário regular para estudar e siga uma rotina diária. Encontre o horário em que você é mais produtivo e crie um ambiente de estudo confortável e livre de distrações. Além disso, monitore seu progresso regularmente e faça ajustes em sua rotina de estudo conforme necessário.

Dica 3. Lembre-se que você não está sozinho: Busque feedbacks

Por mais que estamos aqui buscando a autonomia e a possibilidade de sermos independentes em nossos estudos, é interessante pensarmos que outras pessoas ainda podem nos ajudar nesse processo. De fato, você não precisa ter uma pessoa como tutora e/ou professora te guiando, mas buscar outras pessoas/colegas/amigos para discussões e afins pode ser algo que irá te impulsionar fortemente.

Isso pode ser feito por meio de grupos de estudo, fóruns de discussão ou ao se juntar a uma comunidade on-line. Peça a opinião de outras pessoas sobre seu trabalho e procure sugestões para melhorar. Lembre-se de que o feedback construtivo pode ser uma ferramenta valiosa para o seu desenvolvimento.

Dica 4. Coloque as mãos na massa: Pratique !

A prática é fundamental para que você se torne um autodidata. Decerto, ter apenas o conteúdo teórico em mente nem sempre é suficiente para a completeza dos estudos. Assim, torna-se essencialmente necessário que você aplique seus conhecimentos.

Assim, busque aplicar esses conhecimentos seja em projetos práticos, na resolução de provas e listas e ou mesmo no estudo de tópicos mais avançados. Com isso, você verá que a prática pode ajudá-lo a aprimorar suas habilidades e a consolidar seu conhecimento. Além disso, não tenha medo de errar e não se preocupe em buscar a perfeição imediatamente.

Aqui, ressaltamos a importante necessidade de você conciliar a prática junto com a rotina de estudos. Em verdade, é importante que a prática em si torne-se uma rotina para você. Pois, com isso você estará constantemente pondo os assuntos teóricos de forma dinâmica e assim o tornará mais vívido em sua mente.

Os desafios que um autodidata pode enfrentar

Ao longo desse artigo deve ter ficado claro como ser um autodidata pode ser incrível e pode fazer a diferença nos seus estudos. Entretanto, nesse caminho vemos que há vários problemas e desafios que podem tornar essa prática não apenas complexa como ainda prejudicar seu aprendizdo se forem feitas de formas danosas.

Decerto, esses problemas são em gerais as práticas erradas referentes as dicas 1,2,3 e 4. Com efeito, a falta de uma organização e estrutura no processo de apredizagem pode dificultar a capacidade de filtrar e selecionar os assuntos relevantes em seu aprendizado.

Ademais, quanto a falta de de feedback e orientação, o autodidata pode acabar repetindo os mesmos erros e ter dificuldades para identificar áreas de melhoria em seu aprendizado. Além disso, a ausência de orientação e feedback ainda pode se manifestar na dificuldade para aprofundar seus conhecimentos em um determinado assunto. Sem a interação com outros estudantes ou profissionais da área, pode ser difícil explorar diferentes perspectivas e abordagens.

Entretanto, é importante que você entenda que esses problemas são desafios superáveis. Em verdade, se você buscar seguir todas as nossas dicas da seção anterior com toda certeza estará mais perto de ser autônomo nos seus estudos.

A importância da avaliação nos estudos

Por mais que muitas vezes você esteja progredindo só no trajeto autodidata, é importante que você sempre busque realizar avaliações. De fato, as avaliações são ferramentas importantes para medir o seu progresso e identificar possíveis defícits de aprendizagem que podem ser corrigidos eventualmente.

Além disso, as avalições ainda podem ser um instrumento importante para que você mantenha o foco e motivação nos estudos. Ao definir objetivos claros e medir o progresso em direção a esses objetivos, o autodidata pode manter-se motivado e engajado no processo de aprendizado.

Embora o autodidata possa ter que criar suas próprias avaliações, há muitas ferramentas disponíveis para isso. Testes online, questionários e projetos práticos podem ser utilizados para medir o conhecimento e as habilidades. Nesse sentido, vale a pena você conferir os seguintes sites: Brilliant,Cambridge English , Test-Guide e Khan Academy. Além disso, você pode buscar provas e avalições em sites de instituições formais como escolas e universidades além de materiais disponibilizadas em repositórios por professores e outros estudantes.

Além disso, aqui você pode empregar novamente a dica sobre o feedback. Assim, você pode buscar feedback de outras pessoas, incluindo outros profissionais da área, amigos e familiares sobre o assunto e através de discussões verificar como foi seu aprendizado no assunto.

Referências

  • Gardner, H. (1999). Inteligências múltiplas: A teoria na prática. Porto Alegre: Artmed.
  • Knowles, M. S. (1975). Self-directed learning: A guide for learners and teachers. Chicago: Follett.
  • Mitra, S. (2013). Beyond the Hole in the Wall: Discover the Power of Self-Organized Learning. TED Conferences.
  • Universidade de São Paulo (USP). (2019). Educação a distância. Recuperado em 21 de abril de 2023, de http://www.usp.br/ead/
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). (2018). Pró-reitoria de graduação. Recuperado em 21 de abril de 2023, de http://www.pr1.ufrj.br/
  • Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). (2019). Instituto de Física “Gleb Wataghin”. Recuperado em 21 de abril de 2023, de http://www.ifi.unicamp.br/
  • Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). (2020). Biblioteca Universitária. Recuperado em 21 de abril de 2023, de https://www.bu.ufmg.br/

Outros Artigos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!