Pegada de Carbono, o que é?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Utiliza-se o termo Pegada de carbono como abreviação para a quantidade de carbono (geralmente em toneladas) emitida por uma atividade ou organização. Assim, a pegada de carbono também é um componente importante da Pegada Ecológica, uma vez que é uma demanda concorrente para o espaço biologicamente produtivo.

Primeiramente, as emissões de carbono da queima de combustíveis fósseis se acumulam na atmosfera se não houver biocapacidade suficiente para absorver essas emissões. Portanto, quando a pegada de carbono, relatada no contexto da Pegada Ecológica Total. As toneladas de emissões de dióxido de carbono são expressas como a quantidade de área de terra produtiva necessária para sequestrar essas emissões. Nesse sentido, isso nos diz quanta biocapacidade é necessária para neutralizar as emissões da queima de combustíveis fósseis.

pegada de carbono
“Pegadas” diferentes que podemos “medir”.

Dessa maneira, medir a pegada de carbono na área terrestre não implica que o sequestro de carbono seja a única solução para o dilema. Isso apenas mostra a quantidade de biocapacidade necessária para cuidar de nossos resíduos de carbono não tratados e evitar o acúmulo de carbono na atmosfera. Assim, medir desta forma permite-nos enfrentar o desafio das alterações climáticas de uma forma holística. Ou seja, não apenas transfere o fardo de um sistema natural para outro. Na verdade, o problema climático surge porque o planeta não tem biocapacidade suficiente para neutralizar todo o dióxido de carbono dos combustíveis fósseis e atender a todas as outras demandas.

A Pegada de carbono é atualmente 60 por cento da Pegada Ecológica da humanidade e seu componente de crescimento mais rápido. A pegada de carbono da humanidade aumentou 11 vezes desde 1961. Reduzir a pegada de carbono da humanidade é o passo mais importante que podemos tomar para acabar com o excesso e viver dentro dos meios do nosso planeta.

Acordo do Clima de Paris

O pacto climático aprovado em Paris em dezembro de 2015 representou um grande passo histórico na reimaginação de um futuro livre de fósseis para o nosso planeta. Não é nada menos que surpreendente que quase 200 países ao redor do mundo – incluindo países exportadores de petróleo – concordaram em manter o aumento da temperatura global bem abaixo de 2°C e, para surpresa de muitos, foram ainda mais longe ao concordar em buscar esforços para limitar a aumentar para 1,5 °C acima dos níveis pré-industriais.

pegada de carbono
Acordo de Paris,

Essas ações ousadas sugerem o fim do uso de combustíveis fósseis bem antes de 2050. Isso ocorre dentro de 31 anos – dentro de muitas de nossas vidas. A matemática é simples: sabemos pelo relatório do IPCC de 2014 que uma concentração de gases de efeito estufa na atmosfera de 450 ppm de CO2equivalente nos dá 66% de chance de cumprir a meta de 2°C do Acordo de Paris. Em contraste, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica do Departamento de Comércio dos Estados Unidos (ou NOAA) informa que em 2022 já estávamos em 523 ppm de CO2equivalente. Isso confirma a necessidade de acabar rapidamente com a emissão de carbono de combustíveis fósseis, ao mesmo tempo em que aumenta o sequestro.

Mas e as promessas da pegada de carbono?

Em contraste, as promessas apresentadas por cada nação são projetadas para resultar em um aumento de temperatura entre 3 e 7 °C, excedendo o limite de 2 °C ou “corrimão global” reconhecido pelo acordo. O acordo final exige que os países retornem a cada cinco anos com novas metas de redução de emissões. Ainda não se sabe se esse requisito essencial será suficiente para catalisar mais ações.

pegada de carbono
Sim! É importante controlar o aquecimento global, pelo menos os estudos sugerem!

O próprio acordo implica que o compromisso com o limite de 2 °C envolverá muito mais do que apenas uma transição para energia limpa; o gerenciamento de terras para atender a muitas necessidades conflitantes também fará parte da solução. Se realmente abandonarmos o combustível fóssil rápida e furiosamente, a demanda por substitutos – por exemplo, florestas como fonte de combustível – poderá colocar novas pressões tremendas em nosso planeta se não for bem administrada. Ao mesmo tempo, o acordo faz referência à redução de emissões por meio do “manejo sustentável de florestas e aumento dos estoques de carbono florestal em países em desenvolvimento”. O acordo também diz que “visa fortalecer a resposta global às mudanças climáticas… de uma maneira que não ameace a produção de alimentos”.

A combinação de todas essas forças – consumo, desmatamento, agricultura e alimentos, emissões – ressalta mais do que nunca o valor de uma medida abrangente como a Pegada Ecológica, que leva em conta todas as demandas concorrentes na biosfera, incluindo emissões de CO2 e a capacidade de nossas florestas e oceanos para absorver carbono.

Como é calculada a pegada de carbono?

Não é fácil calcular uma pegada de carbono entretanto a medição é essencial. Considere, por exemplo, o custo pessoal do carbono de fazer um voo comercial.

Nesse caso, tem-se um cálculo direto: pegue quanto combustível um avião queima e quantos gases de efeito estufa são emitidos durante um voo e divida pelo número de passageiros. Entretanto, pegada é maior para os passageiros da primeira classe e da classe executiva? Certo? Afinal esses ocupam mais espaço e porque seu custo mais alto cria um incentivo extra para que o voo realmente ocorra. Outras considerações incluem quanta carga o avião está carregando e a altitude em que o avião voa.

Mesmo assim, não é um cálculo relativamente simples (que não condiz com a realidade). Uma vez que comparado a avaliar as emissões envolvidas em cada etapa, digamos, da fabricação de um carro: as emissões que ocorrem na fábrica de montagem, a geração de eletricidade para abastecer essa fábrica, o transporte de todos os itens de componentes, as fábricas nas quais os componentes foram feitos, a criação do maquinário usado nessas fábricas e na montadora e assim por diante, até a extração dos minerais que são os blocos de construção do carro.

Devido à complexidade envolvida em tais cálculos, o valor encontrado não é preciso. A boa notícia, é que, o valor exato, a maioria das vezes, não é necessário e uma boa estimativa serve para tomadas de decisão. Tais como as medidas uma pessoa pode tomar para reduzir ao máximo sua pegada pessoal depende do tipo de estilo de vida que ela vive atualmente, e as mesmas ações não são igualmente eficazes para todos.

Referências:

Veja Mais:

Outros Artigos

biologia-o-que-mais-cai-no-enem.
Atualidades

Biologia o que mais cai no ENEM?

Biologia no Enem é um tema bastante amplo e possui um peso significativo na prova e merece total atenção. Descubra como gabaritar aqui!

Derivadas é a análise de taxas de variação. Quando calculamos a derivada de uma função em um ponto específico
Engenharias

Derivadas: Pontos críticos

Derivadas é a análise de taxas de variação. Quando calculamos a derivada de uma função em um ponto específico.

Legal

® 2021-2024 Meu Guru | 42.269.770/0001-84 • Todos os direitos reservados

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!