Pico do Petróleo: Devemos nos preocupar?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Pico do Petróleo
Pico do Petróleo.

O pico do petróleo, é uma teoria que afirma: as fontes convencionais de petróleo bruto já atingiram ou estão atingirirão sua capacidade máxima de produção. E dessa forma diminuirão significativamente em volume de produção.

Fontes de petróleo “convencionais” são depósitos facilmente acessíveis produzidos por poços tradicionais onshore e offshore, dos quais o petróleo é removido. A teoria do pico petrolífero não se aplica às chamadas fontes de petróleo não convencionais.

Os defensores da teoria do pico do petróleo não afirmam, que as fontes convencionais de petróleo irão acabar resultando em uma crise global de energia. Em vez disso, a teoria sustenta que, com a produção de petróleo facilmente extraível chegando ao pico e diminuindo, os preços do petróleo bruto permanecerão altos e até aumentarão ainda mais ao longo do tempo. Especialmente se o futuro global a demanda por petróleo continua a crescer junto com o crescimento de economias emergentes como China e Índia.

Embora a teoria do pico do petróleo possa não pressagiar gasolina cara tão cedo, ela sugere que os dias de combustível barato, como foram vistos por mais de uma década após o colapso dos preços do cartel da OPEP em meados da década de 1980, nunca mais voltarão.

Teoria do Pico do Petróleo

A primeira pessoa a divulgar publicamente a teoria do pico do petróleo foi Marion King Hubbert. Esse foi um geocientista que trabalhou como pesquisador para a Shell Oil Company e ensinou geofísica na Universidade de Stanford e em outras instituições.

Em uma reunião de uma filial do American Petroleum Institute em 1956, Hubbert apresentou um artigo no qual descrevia a produção de petróleo dos EUA em uma curva de sino, começando do zero no final do século 19, atingindo o pico entre 1965 e 1975 em aproximadamente 2,5 bilhões a 3 bilhões de barris por ano (ou aproximadamente 6,8 milhões a 8,2 milhões de barris por dia), e diminuindo a partir daí tão rapidamente quanto havia crescido até a produção diminuir para os níveis do século 19 após 2150.

Hubbert previu ainda que a produção global de petróleo bruto, assumindo inexplorado reservas de 1,25 trilhões de barris, atingiriam o pico por volta do ano 2000 em cerca de 12 bilhões de barris por ano (cerca de 33 milhões de barris por dia), declinariam rapidamente depois disso e finalmente desapareceriam no século 22.

A teoria de Hubbert para a produção dos EUA estava certa, já que 1970 provou ser o ano de pico para a produção de poços de petróleo naquele país, com aproximadamente 9,64 milhões de barris de petróleo bruto por dia (em comparação com cerca de 6,4 milhões de barris por dia em 2012). Se Hubbert estava certo sobre o pico da produção global de petróleo bruto é um tópico mais controverso.

Desafios com relação a teoria do Pico do Petróleo de Hubbert

Um desafio central para a teoria é que o cálculo da futura produção global de petróleo continua sendo um jogo de adivinhação, pois requer não apenas um banco de dados de números da produção passada, mas também um conhecimento preciso das reservas atuais. Embora as estatísticas sobre a produção nos últimos anos sejam facilmente acessíveis, os produtores de petróleo geralmente mantêm os números das reservas confidenciais.

Em particular, a Arábia Saudita se recusou a revelar se seus maiores campos – especialmente o enorme campo Al-Ghawār, que em 2005 foi estimado em produzir cinco milhões de barris por dia – estão diminuindo a produção ou, pelo menos, tornando-se mais difíceis de explorar. Ainda assim, houve tentativas de verificar as projeções de Hubbert.

Em 2010, o World Energy Outlook anual da Agência Internacional de Energia (IEA) especulou que o pico global da produção de petróleo convencional pode ter ocorrido em 2006, quando 70 milhões de barris foram produzidos por dia. Em contraste, o influente Cambridge Energy Research Associates (CERA) estimou em 2005 que a atual capacidade de produção global não atingiria o pico antes de 2020.

Futuro com relação ao mundo e o pico de petróleo

Assumindo que é aceito que a produção global de petróleo atingiu o pico ou eventualmente atingirá o pico, o debate muda para a gravidade do subsequente declínio da produção. Aqui, a maioria das previsões não vê o declive acentuado implícito na clássica curva de sino de Hubbert. Por exemplo, o World Energy Outlook 2010 da IEA previu que a produção mundial atingiria um patamar de cerca de 68 milhões a 69 milhões de barris por dia em um futuro previsível – embora até 2035 a produção de petróleo bruto convencional possa cair para 20 milhões de barris por dia, com a diferença sendo compensada pelo aumento da produção de fontes não convencionais.

A CERA também prevê que fontes não convencionais sustentarão a produção mundial de petróleo no futuro. Na verdade, a CERA sustenta que é inútil construir cenários que separem estritamente o petróleo convencional do não convencional, pois os avanços na tecnologia e outros fatores têm maneiras de obscurecer as diferenças entre os dois.

Teoria do pico do petróleo hoje

Recentemente, o desenvolvimento tecnológico, incluindo o aumento da digitalização, alterou os entendimentos convencionais associados ao “pico do petróleo”. Como outros recursos consumíveis, o pico do petróleo é fundamentado na realidade. O petróleo é um recurso natural finito produzido ao longo de um período geológico enquanto a demanda continua a subir.

No entanto, o pico do petróleo também pode se tornar uma profecia autorrealizável, inadvertidamente desinformando o público. A forma como reagimos a essa profecia determinará muito sobre a descarbonização e a transição energética.

Ninguém consegue chegar a um acordo sobre quando atingiremos o ponto do Pico do Petróleo ou mesmo sobre o que o causará. A petrolífera norueguesa Equinor e a pesquisadora de energia Rystad Energy preveem um pico por volta de 2028. Tal fato é devido aos baixos investimentos no fornecimento de petróleo e à concorrência cada vez mais eficiente de projetos de energia renovável. A McKinsey Consulting e a empresa TotalEnergies estimam o pico no início e meados da década de 2030. Isso se dá devido ao crescimento lento nas indústrias químicas, bem como ao pico da demanda de transporte.

Por fim…

O pico do petróleo, portanto, continua sendo uma teoria controversa, especialmente porque alguns de seus mais fervorosos defensores argumentam que os preços mais altos do petróleo e a produção reduzida podem levar a convulsões geopolíticas e agitação pública em massa.

Se a teoria se mantiver, então a economia mundial baseada no petróleo enfrentará um acerto de contas em meados do século XXII. Tal cálculo pode estimular uma revolução nos métodos de extração, levando a que mais petróleo do que nunca seja derivado de fraturamento hidráulico, areias betuminosas canadenses e um Ártico cada vez mais acessível, ou pode reduzir a dependência do petróleo e aumentar o uso de fontes de energia alternativas e renováveis. Vale a pena notar que Hubbert, o fundador da teoria do pico do petróleo, era um defensor da energia nuclear que acreditava que o fim do petróleo não significaria o fim da civilização, mas seu aperfeiçoamento.

Referências:

Veja Mais:

Outros Artigos

Reprodução-das-Plantas
Biológicas

Reprodução das Plantas

Você sabe como funciona o processo de reprodução das plantas? Qual a sua importância e o porquê de acontecer? Clique aqui e saiba mais.

Legal

® 2021-2024 Meu Guru | 42.269.770/0001-84 • Todos os direitos reservados

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!