Química Verde

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Química verde
Química Verde

A química verde é o design de produtos e processos químicos que reduzem ou eliminam a geração de substâncias perigosas. Ou seja, é um tipo de prevenção relacionada à poluição causada por atividades na área química. Ela busca a despoluição de produtos e processos químicos para reduzir ou eliminar o uso e a geração de substâncias perigosas durante o planejamento manufatura e aplicação de produtos e processos. Dessa maneira, os riscos são minimizados, assim como os gastos com o tratamento dos resíduos gerados no processo.

A Química Verde permite que as atividades desenvolvidas em indústrias químicas gerem menos danos ao meio ambiente e, consequentemente, à saúde humana. Para isso, ela é pautada em doze princípios distintos.

Noções básicas de química verde

A química verde se aplica ao longo do ciclo de vida de um produto químico, incluindo seu projeto, fabricação, uso e descarte final.

Dessa forma, a química verde:

  • Previne a poluição a nível molecular
  • É uma filosofia que se aplica a todas as áreas da química, não a uma única disciplina da química
  • Aplica soluções científicas inovadoras para problemas ambientais do mundo real
  • Resulta na redução da fonte porque evita a geração de poluição
  • Reduz os impactos negativos de produtos e processos químicos na saúde humana e no meio ambiente
  • Reduz e às vezes elimina o perigo de produtos e processos existentes
  • Desenha produtos e processos químicos para reduzir seus perigos intrínsecos

Vantagem da química verde

A química verde reduz a poluição em sua origem, minimizando ou eliminando os riscos de matérias-primas químicas, reagentes, solventes e produtos.

Isso é diferente da limpeza da poluição (também chamada de remediação), que envolve o tratamento de fluxos de resíduos (tratamento de fim de tubo) ou a limpeza de derramamentos ambientais e outras liberações.

A remediação pode incluir a separação de produtos químicos perigosos de outros materiais e, em seguida, tratá-los para que não sejam mais perigosos ou concentrá-los para descarte seguro. A maioria das atividades de remediação não envolve química verde. A remediação remove materiais perigosos do ambiente; por outro lado, a química verde mantém os materiais perigosos fora do meio ambiente em primeiro lugar.

Se uma tecnologia reduz ou elimina os produtos químicos perigosos usados para limpar contaminantes ambientais, essa tecnologia se qualifica como uma tecnologia de química verde. Um exemplo é a substituição de um sorvente perigoso [produto químico] usado para capturar mercúrio do ar para descarte seguro por um sorvente eficaz, mas não perigoso. Usar o sorvente não perigoso significa que o sorvente perigoso nunca é fabricado e, portanto, a tecnologia de remediação atende à definição de química verde.

Os 12 princípios da química verde

Esses princípios demonstram a amplitude do conceito de química verde:

  1. Previna o desperdício: Projete sínteses químicas para evitar o desperdício. Não deixe resíduos para tratar ou limpar.
  2. Maximize a economia de átomos: Projete sínteses para que o produto final contenha a proporção máxima dos materiais de partida.
  3. Projetar sínteses químicas menos perigosas: Projetar sínteses para usar e gerar substâncias com pouca ou nenhuma toxicidade para humanos ou meio ambiente.
  4. Projetar produtos químicos e produtos mais seguros: Projetar produtos químicos totalmente eficazes, mas com pouca ou nenhuma toxicidade.
  5. Use solventes e condições de reação mais seguros: Evite usar solventes, agentes de separação ou outros produtos químicos auxiliares. Se você precisar use os mais seguros.
  6. Aumente a eficiência energética: Execute reações químicas em temperatura e pressão ambiente sempre que possível.
  7. Use matérias-primas renováveis: Use matérias-primas que são renováveis em vez de esgotáveis. A fonte de matérias-primas renováveis são frequentemente produtos agrícolas ou resíduos de outros processos.
  8. Evite derivados químicos: Evite usar grupos bloqueadores ou protetores ou quaisquer modificações temporárias, se possível. Os derivados usam reagentes adicionais e geram resíduos.
  9. Use catalisadores, não reagentes estequiométricos: Minimize o desperdício usando reações catalíticas. Os catalisadores são eficazes em pequenas quantidades e podem realizar uma única reação várias vezes.
  10. Projetar produtos químicos e produtos para degradar após o uso: Projetar produtos químicos para se decompor em substâncias inócuas após o uso, para que não se acumulem no meio ambiente.
  11. Analise em tempo real para prevenir a poluição: Inclua monitoramento e controle em tempo real durante as sínteses para minimizar ou eliminar a formação de subprodutos.
  12. Minimize o potencial de acidentes: Projete produtos químicos e suas formas físicas (sólidas, líquidas ou gasosas) para minimizar o potencial de acidentes químicos, incluindo explosões, incêndios e liberações para o meio ambiente.

Referências:

Veja Mais:

Outros Artigos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!