Soldagem a Arco Elétrico: Quatro Principais Processos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Operação de soldagem a arco elétrico

As operações de soldagem são necessárias para a fabricação e montagem de diversos componentes e estruturas. A soldagem a arco elétrico é o tipo de soldagem mais empregado atualmente, já que o arco elétrico é uma fonte de calor muito eficaz.

Apesar de possuírem a mesma fonte de calor, cada processo de soldagem a arco elétrico possui características únicas que envolvem principalmente o tipo de eletrodo e a proteção da poça de fusão.

Devido a isto, é necessário conhecer as características destes processos de soldagem, onde os principais tipos são a soldagem por eletrodo revestido, soldagem MIG/MAG, soldagem TIG e a soldagem por arco submerso.

Soldagem por Eletrodo Revestido (SMAW)

A soldagem por eletrodo revestido é um processo manual de soldagem a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível com um revestimento especial. Já que este eletrodo é consumível, ele atua como metal de adição na poça de fusão. Os revestimentos do eletrodo desempenham diversas funções, tais como estabilizar o arco elétrico, proteger a poça de fusão, fornecer elementos de liga e formar escória.

Este processo de soldagem é muito versátil, já que pode soldar a maior parte dos metais. O equipamento é portátil e a soldagem pode ser feita mesmo em ambientes abertos ou submersos.

Entretanto, algumas das limitações deste processo são a sua baixa produtividade e o fato de ser uma operação manual sujeita a erros do operador.

Soldagem MIG/MAG

os processos de soldagem MIG e MAG possuem elevada produtividade entre as operações de soldagem a arco elétrico, pois são processos semiautomáticos. Um eletrodo consumível nu é utilizado para a abertura do arco elétrico, uma bobina realiza a alimentação contínua deste para a poça de fusão.

MIG e MAG são os nomes dos dois processos, cuja única diferença está na proteção da poça de fusão. Usa-se um gás inerte no processo MIG e um gás ativo no processo MAG.

Como já foi dito, este é um processo de soldagem a arco elétrico muito produtivo com uma boa qualidade e elevada taxa de penetração. O custo do equipamento, porém, é muito superior do que de outros processos de soldagem, além de não ser portátil e haver dificuldade na solda de algumas posições apertadas.

Soldagem TIG

Um outro processo de soldagem a arco elétrico que merece destaque é a soldagem TIG. Esta é uma operação de soldagem que utiliza um eletrodo não consumível de tungstênio e proteção com gás inerte.

Este eletrodo permite a obtenção de uma solda de elevada qualidade, na qual em alguns casos é possível realizar soldagem autógena (sem metal de adição).

Por meio da soldagem TIG é possível soldar praticamente todos os metais, formando uma solda de alta qualidade na qual o operador possui bom controle e visão da poça. O que restringe seu uso, porém, é o custo elevado do equipamento, a sua baixa produtividade e a sensibilidade a ventos, pois afetam a sua proteção gasosa.

Soldagem por Arco Submerso

Por fim, a soldagem por arco submerso é um processo de soldagem na qual o eletrodo e o arco elétrico são cobertos por um fluxo metálico. Este fluxo metálico protege a poça de fusão e possibilita a formação de escória metálica.

Da mesma forma que a soldagem MIG/MAG, este processo é muito produtivo por ser automático, além de possuir elevada taxa de penetração e de qualidade da solda. Há limitações em seu uso, no entanto, por realizar operações de soldagem apenas na posição plana.

Veja também:

https://blog.meuguru.net/eletrodo-revestido

Outros Artigos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!