7 Descobertas que revolucionaram a ciência

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

Descobertas que revolucionaram a ciência

Vários gênios contribuíram significativamente nas nossas vidas. Neste artigo, vamos explorar as 7 descobertas que revolucionaram a ciência!

Leis de Newton

A lei da gravitação universal e as três Leis de Newton fornecem a base da mecânica clássica. São os princípios fundamentais para o entendimento do movimento dos corpos, em escalas que vão desde a terrestre até a celeste.

Sei que todo mundo já tá careca de saber, mas vale reforçar que as três leis de Newton são: Lei da Inércia, Princípio Fundamental da Dinâmica e Lei da Ação e Reação.

Isaac Newton publicou essas leis pela primeira vez em 1687, na obra de três volumes “Princípios Matemáticos da Filosofia Natural” (Philosophiae Naturalis Principia Mathematica).

Uma curiosidade é que Newton criou Teoria da Gravidade durante a quarentena de peste bubônica (entre 1665 e 1666) ao observar uma maçã cair da árvore.

Teoria da relatividade geral de Einstein

A teoria da relatividade geral é uma teoria métrica da gravitação criada por Albert Einstein, em 1915.

De forma sintetizada, Einstein descobriu que a presença da matéria faz com que o espaço e o tempo se curvem ao redor do objeto. Quanto maior a massa, maior a curvatura.

Para se ter dimensão, a teoria da relatividade geral foi capaz de prever a existência de buracos negros e buracos de minhoca.

Além disso, a teoria de Einstein contribuiu em estabelecer a equação da teoria do Big Bang e descrever as órbitas de planetas e estrelas.

Mecânica Quântica

Em 1918, o cientista alemão Karl Ernst Ludwig Marx Planck foi laureado com o Nobel de Física pelo nascimento da física quântica.

A quântica é um ramo da física que permite uma descrição do comportamento e interação do que a física clássica não é capaz de ser aplicada.

São exemplos a matéria e energia em escala subatômicas, fótons e certos materiais a temperaturas muito baixas.

Planck iniciou suas pesquisas no estudo das radiações eletromagnéticas até evoluir para a sua teoria (Lei de Planck), quando solucionou a catástrofe do ultravioleta de Rayleigh-Jeans.

Nesse episódio, Planck formulou que a radiação é absorvida ou emitida por pacotes de energia (denominadas quantum ou fóton), e não pela forma clássica de Newton.

Dentre as descobertas que revolucionaram a ciência, essa causou bastante impacto na época.

Posteriormente, cientistas como Albert Einstein (efeito fotoelétrico), Niels Bohr (modelo atômico) e Schrödinger (Equação de Schrödinger e superposição quântica) puderam originar a teoria quântica.

Uma curiosidade é que o Nobel ganho por Einstein foi devido ao descobrimento do efeito fotoelétrico, e não pela teoria da relatividade.

Penicilina

O tratamento atual contra bactérias se deve pela descoberta da Penicilina (por acidente) pelo pesquisador escocês Alexander Flemming, em 1928.

Flemming estava pesquisando sobre as bactérias do gênero Staphylococcus, quando saiu de férias e esqueceu suas placas com culturas de micro-organismos em seu laboratório em Londres.

Ao retornar de viagem, ele detectou que sua amostra apresentava um bolor, ao mesmo tempo que percebeu a ausência de bactérias em sua volta.

Foi aí que descobriu que o bolor se tratava de um fungo do gênero Penicillium, produtor da substância Penicilina, o primeiro e mais famoso antibiótico.

Dupla hélice do DNA

O DNA foi descoberto em 1869 pelo bioquímico suíço Johann Friedrich Miescher. No entanto, a sua estrutura tridimensional permaneceu uma incógnita até 1953, quando foi descoberta por Francis Crick e James Watson.

Até aquele momento, sabia-se que o DNA era composto de subunidades chamadas nucleotídeos, constituídos de um açúcar (desoxirribose), um grupo fosfato, e uma das quatro bases nitrogenadas: adenina (A), timina (T), guanina (G) ou citosina (C).

Watson e Crick revelaram que a estrutura da molécula de DNA consiste em um composto formado por duas cadeias longas paralelas, constituídas por nucleotídeos organizados em sequência.

Para a construção do modelo molecular do DNA, eles utilizaram como estratégia o tamanho e a configuração espacial dos nucleotídeos.

Entretanto, foi imprescindível a contribuição da química Rosalind Franklin para a descoberta. Ela utilizou a técnica de difração de raios-X para obter a imagem do DNA, pelo laboratório de Maurice Wilkins.

Hoje se sabe que essas duas cadeias polinucleotídicas são complementares. Isso significa que quando uma base nitrogenada do tipo adenina está em uma das cadeias, haverá uma timina correspondente na outra. O mesmo ocorre com a citosina em relação à guanina.

Raios-X

Os Raios-X são uma forma de radiação eletromagnética ionizante que pode penetrar objetos sólidos. Eles são atenuados de acordo com a densidade do objeto.

Essa descoberta revolucionou a medicina por proporcionar o diagnóstico por imagem, permitindo examinar o corpo do paciente sem a necessidade de uma intervenção cirúrgica. Para este fim, são utilizados exames de radiografia, tomografia e ressonância magnética.

O físico alemão Wilhelm Conrad Röntgen é considerado o inventor dos raios-X.

Röntgen fazia experiências com um tubo de raios catódicos no dia 8 de novembro de 1895, quando notou que, ao ligar o tubo, uma tela fluorescente se iluminava. Isso ocorria mesmo ela estando distante e coberta com papelão.

Dessa forma, Röntgen chegou a conclusão de que o tubo era capaz de emitir alguma forma de raios invisíveis.

Posteriormente, descobriu que esses raios podiam penetrar em vários materiais, como: madeira, vidro, borracha e até mesmo os ossos, gerando uma imagem sombreada.

Depois desse episódio, Roentgen iniciou uma série de experimentos e de até chegar na primeira radiografia, no dia 22 de dezembro de 1895, a mão de sua esposa.

Insulina

A insulina foi descoberta em 1921 pelos cientistas Frederick Banting e Charles Best, no laboratório de John J. R. MacLeod, em pesquisas destinadas a isolar as secreções endócrinas do pâncreas.

A princípio, o extrato pancreático não gerava o efeito desejado (reduzir a glicose e corpos cetônicos), além de causar reações adversas.

Isso foi resolvido posteriormente com a incorporação do biólogo James Colip ao grupo. Ele foi responsável por purificar o extrato, diminuindo os efeitos colaterais e gerando respostas mais eficazes no tratamento.

A descoberta da insulina rendeu ao grupo o prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia, sendo um marco no tratamento do diabetes.

Gostou de saber as 7 descobertas que revolucionaram a ciência? Clique Aqui e confira 7 fatos científicos interessantes.

Outros Artigos

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!