Fisiologia Humana: uma revisão integrativa

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

A fisiologia humana é descrita como a divisão da área da saúde que estuda o funcionamento normal do corpo humano. Através dela, podemos entender como as atividades funcionais realizadas pelo organismo se interagem e atuam de forma sinérgica. Nesta interação sistemática e de altíssima complexidade, chamada de homeostase, o foco é o equilíbrio funcional.

Contudo, em todos os processos existem falhas. No caso da fisiologia humana, podem existir defeitos gerados a partir de diversas causas, que resultam em doenças ou patologia. Desse modo, vamos rever os conceito básicos da fisiologia humana.

Fisiologia Humana: Uma ciência integrativa

A fisiologia humana é extremamente vasta, visto que é altamente integrativa e intimamente associada. Essas associações se dão através de várias ciências importantes e estão presentes no ciclo básico dos cursos acadêmicos, desde o nível técnico a pós-graduação. É possível citar a bioquímica, biofísica, farmacologia, imunologia, citologia e ecologia dentre outras, e todas elas estão interligadas. Desse modo, a fisiologia é considerada por muitos uma ciência integrativa, já que todos estão correlacionados e com um só objetivo: a homeostase.

Por si só, quando estudada sozinha, a fisiologia pode ser considerada desesperadora. Porém, não precisa entrar em pânico porque estamos aqui para descomplicar a homeostase.

Campos de estudo na fisiologia humana

O campo fisiológico, por si só vai do estudo da molécula até os sistemas propriamente ditos. Desde os processos mais simples até o mais complexo, desde a porção mais interna até a externa, tudo pode ser explicado através da fisiologia. Sendo assim, a fisiologia dentro de sua própria área é subdivida em diversos campos de estudo com a suas particularidades.

Os importantes temas de estudo abordados no conhecimento fisiológico de forma integrativa vão desde as propriedades físicas aplicadas a biologia. Um grande exemplo clássico e fácil de associar é como o impulso elétrico faz o coração bater. Este processo biofísico, além de outros, serão abordados futuramente com riqueza de detalhes e ao mesmo tempo de fácil leitura e entendimento.

Fisiologia molecular

As principais ramificações, abordadas na fisiologia, são todas interligadas entre si. Sendo assim, é possível explicar como uma simples molécula de glicose consegue entrar na célula para fornecer energia para as suas devidas funções. Além do mais, é capaz de explanar como ocorre o movimento de caminhar, devido a integração funcional de dois ou mais sistemas.

Assim, é possível citar os principais focos de estudo da fisiologia humana:

  • Membrana Plasmática
  • Tipos de Transporte
  • Potencial de Ação
  • Potencial de Membrana
  • Bioeletrogênese

Fisiologia Sistemática

Além disto, na anatomia humana, iremos entender o funcionado dos componentes do maquinário humano. Sendo assim, serão abordados, as atividades do:

  • Sistema Muscular
  • Sistema Cardiovascular
  • Sistema Respiratório
  • Sistema Endócrino
  • Sistema Renal
  • Sistema Excretor
  • Sistema Reprodutor
  • Sistema Nervoso

Integração com outras disciplinas

Por ser uma grande área, o entendimento fisiológico está relacionado a vários processos complexos e que necessitam várias horas de estudo. Por isso, muitos alunos dos cursos da área da saúde relatam dificuldade com a fisiologia, pois ela demanda tempo e dedicação. Além do mais, a matéria muitas vezes é ofertada no mesmo período de outras disciplinas que requerem foco e disciplina, o que exige que os alunos dividam os esforços e estudem em sintonia.

Confusão na fisiologia humana

Aguns autores, ao repassar seus conhecimentos fisiológicos, erroneamente chamam a fisiologia de fisiologia médica. No entanto, existem diversas diferenças entre elas. A principal que posso citar, é que a fisiologia médica estuda o desequilíbrio funcional, ou seja, a patologia. Já a fisiologia humana estuda o funcionamento e do corpo como um todo, com foco na homeostase, ou seja, no equilíbrio funcional. Ainda assim, as duas ciências são importantes e necessitam igualmente de um vasto conhecimento funcional afim de identificar patologias e compreender o funcionamento do corpo.

Abordagem inicial da fisiologia humana

Conceito de membrana plasmática

Acerca do conhecimento fisiológico, necessitamos entender o básico dessa ciência. Desse modo, aprender sobre os conceitos básicos nos permitirá compreender todo o funcionamento do maquinário humano. Portanto, a principal estrutura básica e ao mesmo tempo complexa é a membrana plasmática.

Estrutura da membrana

A membrana plasmática é constituída basicamente por proteínas e lipídios. O meio lipídico garante a parte estrutural da membrana quando associada a molécula de fósforo. Sendo assim, a estrutura da membrana, conhecida como fosfolipídio, faz todo o arcabouço da membrana.

Esse componente apresenta dupla particularidade importante, ou seja, uma parte hidrofóbica e outra hidrofílica. Desse modo, a parte mais externa é hidrofílica. Já a porção hidrofóbica, localizada na porção mais interna, é formada por moléculas de ácido graxo e colesterol.

Além disso, outra particularidade super importante é a disposição dessa dupla camada lípidica que forma uma dupla barreira, as quais os autores chamam de bicamada lipídica.

Já as proteínas estão presentes na bicamada lipídica. Estão distribuídas de modo não uniforme perante toda a membrana. Possui diversas funções importantes que tem por finalidade auxiliar no bom funcionamento da membrana plasmática. Desse modo, posso citar as principais funções das proteínas que estão inseridas no conteúdo membranar.

Proteínas integrais: É o tipo de proteína que tem como característica principal atravessar toda a estrutura da membrana plasmática. Podem ser chamadas de proteínas transmembrana. Sendo assim, tem como função principal transportar nutrientres para o interior da célular ou vice-versa. Esse transporte é mediado pelos canais, outra nomenclatura para as proteínas integrais.

Proteínas periféricas: É o tipo de proteína que esta presente apenas na camada mais externa da membrana plasmática. Tem como função principal ser o aporte para moléculas específicas que tem por finalidade realizar funções intracelular sem necessitar atravessar a membrana. Para a completa ativação será importante o recrutamento de segundos mensageiros. Logo, conhecidos como receptores.

Conceitos elétricos básicos aplicados a fisiologia humana

Acerca do conhecimento das grandezas físicas, devemos relembrar o entendimento da eletricidade. Os conhecimentos básicos da eletricidade são importantes, visto que todos os elementos químicos possuem carga elétrica. Diante disso, todos os átomos têm carga elétrica neutra porém alguns apresentam carga elétrica positiva ou negativa. Desse modo, podemos classificar os átomos carregados eletricamente positivos de prótons. Os elementos que possuem carga elétrica negativa, podemos chamar de elétrons. E não diferentemente, os átomos que possuem cargas igualmente positivas e negativas, chamamos de nêutrons.

De grande relevância, os átomos não apresentam diferenças de cargas elétricas em seu conteúdo elétrico. Sendo assim, quando os átomos perdem ou ganham carga elétrica, ocorre o surgimentos dos íons. Desse modo, esses sim, possuem a carga elétrica de forma aparente, os quais podem ser prótons, elétrons ou nêutrons. Portanto, posso elencar os principais íons que são estudados na bioeletrogênese.

Os principais prótons são: Potássio (K+), Cálcio (Ca++), Sódio (Na+) e Hidrogênio (H+).

O principal elétron com relevância na biofísica é o Cloro (Cl).

Através desse conhecimento básico da eletricidade, podemos concluir que o corpo humano é eletricamente neutro. Pois, para cada próton existente no nosso organismos, deve existir um elétron afim de tornar a carga elétrica neutra.

Leis aplicadas no organismo através da corrente elétrica

De fato, nosso organismo sofre ações pertinentes ao campo da física. Desse modo, posso citar as grandezas mecânicas, dinâmicas, termodinâmicas e não diferentemente, a elétrica. Sendo assim,as leis físicas são aplicadas a todo momento em nosso organismo e sequer paramos pra pensar em como elas ocorrem. Logo, explicarei de maneira branda e direta, como a atividade elétrica age em nosso organismo.

A primeira lei refere-se a conservação da carga elétrica que diz: a soma de toda carga elétrica produzida pelo nosso organismo deve ser zero. Portanto, essa é a explicação do nosso corpo ser eletricamente neutro.

A segunda lei menciona sobre a atração e repulsão. Desse modo, afirmo que cargas elétricas diferentes se atraem e cargas elétricas iguais se repelem. O exemplo que cito é a água, dois íons de H+ se unem ao íon do oxigênio (O2-), que forma H2O.

A terceira lei refere-se a separação de cargas elétricas. Essas necessitam de gasto energético para ocorrer a sua separação, na forma de trabalho. Portanto, nesse contexto, o corpo utiliza a adenosina tri fosfato (ATP) para fornecer energia ao trabalho necessário para a separação elétrica.

Propriedades da bioeletrogênese

Todas as nossas células neuronais e musculares são capazes de conduzir corrente elétrica. Desse modo, para garantir essa passagem elétrica, é necessário que haja uma diferença de potencial (DDP). Conforme alguns autores, essas células excitáveis têm a capacidade de gerar propagar os sinais elétricos. Sendo assim, a condução elétrica se propaga através da membrana plasmática. Logo, a bioeletrogênese, pode ser classificada em potencial de repouso e potencial de ação.

Leia mais sobre ciência

Gosta de aprender sobre o corpo humano? Confira esses artigos:

Como é feita a regulação da temperatura corporal

O que acontece com o corpo durante uma overdose?

Você sabe o que é RNA?

Outros Artigos

Saiba-mais-sobre-Bioquímica
Bioquímica

Saiba mais sobre Bioquímica

Saiba mais sobre a bioquímica e descubra como o estudo dos processos químicos abrangem um enorme campo de investigação.

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos!

contato@meuguru.com

CNPJ 42.269.770/0001-84

Nos siga nas redes!